Livros publicados

Florência: Drama e Conquista

Tamanho: 16x23cm
Ano: 2011
N° de págs: 72
ISBN: 978-85-7592-195-1

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

        A dor é um sinal de que algo perturbador está acontecendo no caminho de nossa saúde. Pode expressar fissura na matéria ou no espírito. Entretanto essa sinalização nem sempre significa perigo, muitas vezes é apenas um aviso. A vitória vem sempre após a luta! Com pequenos passos, poderemos vencer longas distâncias e chegar ao ninho da felicidade, contornando os obstáculos do caminho.

        Mas para se atingir esse objetivo é preciso força e fé. Acreditar na nossa mente, significa querer chegar ao destino. Contudo não se pode esquecer de que o nosso corpo é uma máquina feita de matéria viva. Como a maquina precisa de combustível, cuidados e, eventuais consertos ao longo da viagem. O profissional para esses cuidados é o médico, que deve estar atualizado, ser dedicado, atenciosos e ter ouvidos atentos para os ruídos dessa maquina

        Neste novo e belo livro de Norma Trespach,  Florência – Drama e conquista – teve a intuição, sensibilidade, criatividade e força para viajar pelas estradas da vida, enfrentando sérios acidentes, dores, sem desistir de seu destino, rumo à vida e a felicidade. Uma vencedora.O ser humano nunca deve guardar em um cofre as suas perdas, poderes, sofrimentos e conquistas – mas repartir com os outros: isso é uma dádiva inesquecível.
        Nestas paginas a autora soube gravar muito bem tudo isso e esta experiência deve ser conhecida e assimilada por todos.

José Valdai de Souza – MD

Universo em Harmonia
(2ª Ed.)

Tamanho: 14x21cm
Ano: 2018
N° de págs: 128
ISBN: 978-85-9537-039-5

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

        “Num instante o céu se torna nublado prenunciando um temporal. Raios e trovões tomam conta e nosso dia, antes claro, veste-se de uma cor escura. Logo após, cai uma chuva que parece alagar toda a terra ou pelo menos até onde nossa visão alcança.”

        Raios formam riscos entre as nuvens apressadas e carregadas d energia e água. É um fenômeno belo de se ver; a natureza em ação.

        Muitos sentem medo porque não têm controle do que está acontecendo.
As vezes demora pouco tempo, outras vezes se prolonga mais, porém aos poucos o temporal vai se dissipando e apenas a chuva continua. Como tudo começou, tudo vai se transformando e o céu se torna claro novamente. O sol volta a brilhar e apenas ficam o cheiro da terra molhada e as plantas, ainda mais belas, pela água recebida. Os rios e lagos foram abastecidos voltando ao nível normal. O ar, mais leve, devido à chuva que levou para a terra as partículas de poeira levantadas pelo vento.

        Em nossa vida também acontecem temporais e nós nos desesperamos. Não temos paciência para esperá-los passar e ver o que nos trouxeram de bom. Ficamos maldizendo nossa dor sem verificar por que tudo está acontecendo.

        Precisamos de umas sacudidelas vez por outra para nos mexermos, do contrário, estagnamos. É necessário colocarmos-mos nossa mente a pensar e praticarmos o que aprendemos com a vida. Estenda seu olhar para este universo e veja o quanto é perfeito. Então, como podemos estar infelizes, se tudo nos foi dado para nossa felicidade?

        Desafortunadamente, ocupamos muito de nossa vida buscando e acumulando bens materiais. Desgastamo-nos, porque depois de consegui-los temos de cuidar para não perde-los e acabamos por nos esquecer o quanto é temporária nossa passagem aqui na Terra. Não nos disseram quanto tempo teríamos para usufruir tudo isto, tampouco que nada poderíamos levar conosco quanto partíssemos.

        Esquecemos também que nascemos, crescemos e envelhecemos. Nem sempre teremos a vitalidade de um jovem, mas nunca nos será tirado o prazer de aproveitarmos tudo aquilo que o universo tem para nos oferecer. É lógico que em cada momento da vida os gostos e as necessidades são diferentes, mas sempre haverá o sentimento, a sabedoria adquiridos nas etapas ultrapassadas, que poderão ser utilizados na fase em que porventura nos encontramos.

        Mesmo nas nossas maiores dificuldades o Criador desse nosso universo não nos abandona. Ele as coloca para que possamos evoluir. Temos uma arma poderosa a nossa disposição: a oração. Deus nos dá os problemas, mas nos oferece também ajuda. Muitas vezes nos carrega em Seus braços para ultrapassá-los.
A humanidade precisa aprender a ter o coração mais humilde e a pedir ajuda quando não consegue resolver sozinha seus problemas, bem como aprender a utilizar a inteligência que Ele nos deu para solucioná-los.
Tudo está a nossa disposição. Viva e seja feliz nesse nosso universo em harmonia.

Uma Noma de Vida (4ª Ed.)

Tamanho: 16x23cm
Ano: 2019
N° de págs: 128
ISBN: 978-85-9537-037-1

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

                Esta é a 4ª edição de Uma Norma de Vida. Merece chegar à 40ª, pois é livro de um ensinamento singular,  filosofia, religião, ciência, luminosidaade – eivado de uma ternura tão profunda, capaz de pôr-nos a chorar de agradecida comoção. Por vezes causa um dó enorme das pequenezas humanas — e em outros momentos este mesmo ser se faz merecedor ser chamado filho de Deus.

                Norma Trespach desnuda-se sem nenhum pejo. Desce todos os véus do orgulho, da vaidade, para pôr-se grande, merecedora das láureas que premiam os vitoriosos – porque ousaram, apostaram tudo em seus sonhos. Menina de dez anos toma o mundo, por muitas casas e cidades; famílias, empregos, estudos, lutas díficeis de serem vencidas. E venceu. Pagou o alto preço da inquietação e do inconformismo. Por isso leia este seu livro e tantos outros publicados.

                Ao chegarmos ao final da leitura de Uma Norma de Vida, Norma faz a gente emergir do mundo de ingratidões e refundar um Mundo de esperanças! Possível amorosidade humana.

                                                                                              Rossyr Berny – editor

Bimbo: Amor e Cumplicidade

        “Quando decidimos adorar ou somos presenteados com algum animal, tornamo-nos responsáveis pelo seu bem-estar e precisamos supri-lo com o que ele buscaria para sobreviver se fosse livre. Não apenas com o alimento, mas também com o companheirismo e as brincadeiras que ele encontraria entre os seus iguais.”

        Cobramos muito caro pelo cuidado que lhe dispensamos. Tornamo-nos egoístas quando o adotamos. Exigimos que ele esteja sempre à nossa disposição, que nos dê atenção quando queremos e que nos entenda quando estamos nervosos, quando até mesmo o agredimos, algumas vezes. Não pensamos que o animalzinho também tem sentimentos, dores e desejos que não pode verbalizar, porém demonstra com seus gestos, latidos e principalmente com o seu olhar. O mínimo que temos de fazer é ficar atentos para satisfazê-los da melhor maneira possível. O cão tem muita sensibilidade. Gosta de ser livre, correr solto pelas ruas, conviver com outros de sua espécie.

        Nós, egoisticamente, quando o adotamos, prendemo-lo conosco, em nossas casas. Damos comida, carinho quando desejamos, mas não deixamos que ele conviva com seus semelhantes. Nós continuamos nossas vidas: trabalhamos fora, muitas vezes saímos para almoçar ou jantar com amigos, passeamos e viajamos.

        Ou seja, levamos nossa vida normalmente. O nosso cachorro fica em casa, esperando-nos ou algumas vezes, quando tiramos férias e viajamos, ficam com algum parente ou hotéis para cães, que muitas vezes não os tratam bem, principalmente não lhe dão a atenção necessária que ele pede. Às vezes, quando é possível e não atrapalhe a nossa vida, levamo-lo junto, mantendo-o no nosso mundo, perto der nós e com nossos semelhantes. Não nos preocupamos se ele se sente feliz com isso.

        Quando o cão é jovem, corre, brinca, late e vê o seu mundo ser determinado por nós. Porém é capaz de decidir o que quer fazer. Tentar fugir, por exemplo. Mas e quando envelhecem? O que resta para ele se nós não ficarmos atentos às suas necessidades e desejos? E como fazer isso se eles não falam e, muitas vezes, nem sequer latem mais?

        Esta é a mensagem que encontrarão neste livro. Como um cão pode despertar sua sensibilidade.